Somos Todos Abbath

 

Somos Todos Abbath – o Metal precisa de mais músicos assim

Por Marcos “Big Daddy” Garcia | Fotos: Divulgação

 

No final de maio e o início de junho de 2017, o Brasil foi devastado por vários shows da dobradinha Amon Amarth e Abbath fizeram pelo país. Óbvio que ambas as bandas no palco fizeram o melhor, e deram uma aula de simpatia. Mas de todos, a figura do guitarrista/vocalista Olve Eikemo, mais conhecido por  Abbath, é a mais marcante de todas, a que mais se destacou.

Fotos e mais fotos nas mídias sociais mostram o carisma, simplicidade e mesmo bom humor de um sujeito que, sejamos bem francos, já tem renome e nem precisa fazer isso tudo. Mas ele faz.

Abbath fez questão de estar com os fãs, sempre em poses hilárias, com caras e bocas que devem estar virando memes divertidos, se é que já não inundaram a internet.

Por que digo que precisamos de mais caras como ele no Metal?

A resposta é simples: Abbath está sendo, de longe, um dos nomes mais divertidos do Metal, seja por sua música muito bem feita e envolvente (uma ouvida em “Abbath” e entenderão o que digo), seja pelos memes ou mesmo pela simpatia que esbanja. E isso, aliás, entra em choque com tudo que tutrues chatos andam pregando.

Foto: Ester Segarra

Abbath ri e sorri no palco, faz caras, bocas e poses hilárias mesmo usando a corpse paint. Há que prefira o músico sério e que não fala uma palavra que seja com o público, mas a postura de Abbath é a melhor de todas. Isso cria sinergia entre o público e a banda, e não seria de estranhar que o primeiro CD da banda dele batesse as vendas de discos de bandas veteranas.

Abbath, no Rio de Janeiro, foi o Cristo Redentor, ponto turístico da cidade. Na mente de muito tutrue from hell ou moleque metido a anos 80, que nem viveu na época (nasceram ou no meio ou depois daqueles tempos), ele foi incoerente. Na realidade, ele foi apenas mais um turista naquele momento e o único problema que pode existir é na cabeça de gente sem autonomia, que não pensa por si, mas em regras. E regra é coisa de mulher menstruada!

No show em SP, a banda teve que se virar com problemas técnicos absurdos. Como narrado pelo site Metal Na Lata (leiam a resenha), o show foi quase uma tragédia, mas quem disse que Abbath lidou com estrelismo? Que nada, o sujeito entreteve o público como podia. Sempre com o carisma de sempre.

Cansei de ver o choro de pessoas que sentaram no chão e remavam, em uma referência aos barcos vikings no show do Amon Amarth. C-H-O-R-O, pois não entendo a mania que algumas pessoas têm de se meterem na diversão alheia. Se sujaram a roupa, se estavam isso ou aquilo, não me importa. O mais importante é: essas pessoas pagaram ingresso e se divertiram muito, assim como Abbath se divertiu com os shows e seus fãs.

Abbath vem em boa hora, pois perdemos uma figura do mesmo estilo em 2015, o saudoso Lemmy, outro que amava a zoeira (ou alguém esqueceu a clássica foto de todos os membros do Motörhead vestidos de coelhinhos da Páscoa?). E, além disso, Abbath nos recorda (e causa severas úlceras nervosas no pessoal radical) que, antes de tudo, música é diversão.

Sim, diversão. Quando coloco música para ouvir, o que mais quero é aliviar as tensões de todos os dias, despairecer os problemas e deixar o estresse sair. Isso não vai ser pensando besteiras como “hoje, eu vou queimar a igreja tal” ou “som foda era em 1984, quando eu nem estava ainda no saco do meu pai que ainda via a Xuxa”, mas ouvindo aquilo que gosto e me faz bem. Algo que vejo acontecer com qualquer pessoa saudável.

Abbath é um baluarte, pois “Abbath” é um disco excelente, e no palco, ele diverte a todos e se diverte. E meus caros, esse é o fundamento básico para o Rock, já que a expressão “Rock ‘n’ Roll” significa “deitar e rolar”, se divertir. Militâncias de ideias são coisas pessoais de cada músico, e você tem o direito de se sentir tocado pelo que ele tem a dizer. Mas quando não se sente assim, por que não gostar da banda?

Por menos mau humor no cenário, por menos regras e babaquices, por menos líderes de porra nenhuma, eu digo: #SomosTodosAbbath.

Be back soon, Abbath! We love you!

1 Comment

Leave a Comment