Lady Gaga is a Headbanger

Lady Gaga  com o Metallica no Grammy. Fonte: Lady Gaga/Twitter

Lady Gaga is a Headbanger – Os fãs de Metal andam mal na arte do pensar…

Por Marcos Garcia

 

Bem, as polêmicas continuam, e resolvi voltar a este assunto. Obviamente que agressores e defensores da célebre apresentação do Metallica com Lady Gaga já vociferaram uns contra os outros. Mas acho que me permitirei uns comentários, apenas me distanciando do aspecto musical.

Para começo de conversa, para quem não conhece um pouco da vida de Stefani Joanne Angelina Germanotta, mais conhecida como Lady Gaga, vamos dar umas informações. Aliás, já que falaram tanta besteira, saber um pouco sobre ela faria muito bem.

Outro ponto. O gosto musical da moça é bem interessante: a mesma disse que o Iron Maiden “mudou a vida dela”, como também se descreve como “a maior fã de Black Sabbath na Terra”. Até aí, eu já sabia.

Sim, eu sei disso por ser fã do trabalho dela. Sei também que o nome “Gaga” que ela usa vem de “Radio Gaga”, um antigo hit do Queen. Aliás, Brian May faz o solo de guitarra na música “You and I”, do CD “Born This Way”. E este disco ainda tem como um dos produtores Mutt Lange, que já trabalhou com AC/DC em “Highway to Hell” e “Back in Black”. E Def Leppard em “High’n’Dry”, “Pyromania” e “Hysteria”, ou seja, nos discos mais premiados e famosos de ambas as bandas.

Aliás, para saber disso é preciso sair da caixa, meus caros, coisa que a maioria dos leitores não o faz. Pensam igual aos seus ‘professores’, mas pergunto: é tão difícil assim usar outras formas de ver o mundo?

Mas a pergunta mais importante é: por que o Metallica a convidou para cantar em “Moth Into Flame”?

Simples: mais uma das ideias de gestão de Lars Ulrich.

Antes de jogar pedras, pensem comigo: a idéia é muito boa mesmo, sabiam?

Mais uma vez, o Metallica busca quebrar as barreiras entre o Metal (que é fechado ‘graças’ ao ego inflado e sentimentos de baixa estima que muitos bangers arrastam por uma vida, mas que flui da forma mais burra e arrogante possível) e os outros estilos. Sim, todos os estilos musicais que conhecemos convivem harmoniosamente uns com os outros, com contribuições mútuas que geram somas de dinheiro enormes. Por que o Metal não pode fazer parte deste círculo?

Preconceito dos artistas Pop não é, pois já vi mais de uma vez as portas abertas para nós. O preconceito nasce em nosso meio!

E sim, estou falando de dinheiro, pois essa história de “Metal is Passion” não sustenta mais ninguém. Aliás, só banda de fundo de quintal que não tem aspirações grandes, quer continuar sempre gravando músicas com produções pífias e repetindo clichês acredita que dinheiro destroi a paixão pelo Metal, ou vice-versa.

Sou um Headbanger, sou leitor, Headbanger dos anos 80, nascido nos anos 70 e curti aquela época na adolescência. Por isso sou tão maduro e posso esfregar certas coisas na cara de muitos sem medo. A verdade é meu guia e a experiência é minha aliada.

Voltando. Eu fico morrendo de rir quando radicais insultam bandas que fazem trabalhos com músicos de Pop ou outros. Chego a ter dores abdominais de tanto dar risadas, pois é muito infantil, que só pessoas sem nenhuma autocrítica ou personalidade própria possuem.

Aliás, você fala em “Metal is Passion” ou “Death to false Metal”, mas já tomou vergonha na cara e começou a pagar pela música que consome?

Já parou com downloads ilegais e passou realmente a pagar as bandas que gosta pela propriedade intelectual delas que aprecia tanto?

Ora, se não consegue ser honesto no mais correto, como quer exigir que as bandas, que andam suando a camisa para estarem na ativa, não busquem novas possibilidades?

No passado, as coisas não eram assim.

Procurem por velhos vídeos de Deep Purple ou Black Sabbath dos anos 70, e os verão em locais onde pessoas comuns estão dançando, sem estresse e sem problema algum. E esses dois gigantes tocaram junto com o grupo de Soul/Funk Earth, Wind and Fire no California Jam, em 1974. Aliás, ainda teve Eagles e Emerson, Lake & Palmer no festival.

Será que algum dos senhores tem a coragem  de ofender uma das duas?

Muito dessa mania de “Metal is Passion” nasce no underground inglês do final dos anos 70, onde se herdou muito do pensamento do Punk 77. “Do It Yourself” é uma dessas heranças, bem como a organização em locais pequenos e com equipamentos baratos, assim como as gravações independentes. Mas ao mesmo tempo, se desenvolveu essa coisa radical boba e sem nexo.

Amar o Metal? Sempre!

Foto: Kevin Winter/Getty Images for NARAS

Abrir a boca sem pensar e falar asneiras? Isso nunca. Não quero esse estilo musical que tanto amo sendo motivo de risos por um bando de crianças que ainda não aprenderam que não se faz nada nesse mundo, nessa vida, sem grana.

E mais: será que já pensou na possibilidade de Lady Gaga permitir que mais e mais fãs dela venham a consumir bandas de Metal? Isso era até comum nos anos 80 nos EUA, quando bandas de Hard Rock eram sucesso ao lado de nomes do Pop. Óbvio que era cada um na sua praia, mas era comum demais isso.

Ou seja, por trás do que Metallica e Lady Gaga fizeram, existe uma estratégia que permite o crescimento do Metal, que os investimentos aconteçam e o estilo possa uma vez mais florescer.

O mesmo pode acontecer por aqui,  com Anitta usando camisas de bandas. Não gosto da música dela, não tenho tesão por nada dela (igual a muitos que estão lendo estas palavras agora), mas sua indignação pode ser sem sentido. Aliás, muitos novos fãs poderiam vir a se tornarem fãs de Metal. Basta você deixar de ser um ogro babaca e usar o cérebro, e perceberá que pode ser uma possibilidade.

Se não quer dinheiro de “roquistas” deve ser porque, quem diz isso, deve vir de berço de ouro e tem como segurar a onda. Quem passa dificuldades sabe o quanto custa manter uma banda nos trilhos. E não é barato, isso eu garanto.

No mais, não estou dizendo para gostarem de Lady Gaga, de Anitta, do Metallica, ou do raio que o seja. Estou dizendo para respeitar o trabalho alheio, como acho que você gosta de ser respeitado(a). E não, sua liberdade de expressão não pode passar desse limite, senão já é abuso.

E façam o favor de não dificultar a vida de quem luta tanto.

Mas se não me entendeu minhas palavras, paciência! Bom senso é algo cada vez mais raro!

Leave a Comment